Dossiê 7: Imagens do mundo poético de Paolo Gioli







Paolo Gioli acrescenta a pintura e desenho, serigrafia e uma litografia e aprofundou seu interesse crescente para o cinema e a fotografia, focando principalmente experimental.

Nasceu em 12 outubro de 1942, freqüentou a escola em Sarzano. Com dezoito anos conheceu o escultor Virgilio Milani e começou a freqüentar o seu estudo. Em 1960, ele começou a trabalhar como decorador numa oficina de cerâmica, nisso conhece Carla Schiesari, com quem se casou em 1969. De 1960 a 1963 freqüentou a Escola Livre do Nu, Academia de Belas Artes de Veneza. Luciano Gaspari e Giuseppe Santomaso incentivaram desenhar e pintar e, em seguida Emilio Vedova, enquanto as visitas contínuas aos museus e galerias de arte, e visitas freqüentes ao Arquivo Histórico Bienal coleção Guggenheim e torná-lo consciente da Avant-garde.
Desde o final da década de 1960, quando o Sarzano-nascido artista, Venice-educado encontrou pela primeira vez os estratagemas cinema de Stan Brakhage, Hollis Frampton, e Michael Snow, durante uma residência em Nova York. Suas próprias táticas incluíram a criação de colagens de imagens encontradas, abrasão e pintura sobre o líder e, o mais infame, a construção de câmeras pinhole de pães e conchas. Intimamente relacionado com o seu trabalho experimental fotográfico (que já dirigia o seu caminho para as coleções do MoMA e do Centre Pompidou), os resultados muitas vezes constituem um corpo deslumbrante iconoclasta e presciente da obra cinematográfica que só agora vem a maior atenção. Na seqüência de um programa especial na New York Film Festival, em 2006, uma seleção na Cinemateca de Ontário incluiu 3 curtas fazendo estréia nos EUA. Gioli parece tender para a essência profunda da linguagem cinematográfica.
Gioli é um dos mais importantes fotógrafos e cineastas internacionais independentes trabalhando. Ele já expôs seu trabalho em Arles, Veneza, Florença, Roma, eo Centro Pompidou, em Paris. Por muitos anos ele formou uma associação profissional com Paolo Vampa, promoter e produtor de seu filme de imagem profissional.
Na 45a Exposição Internacional do Novo Cinema de Pesaro hospedado em junho de 2009, uma retrospectiva de filmes, com curadoria do crítico e professor, Giacomo Daniele Fragapane e um painel de discussão em que vários estudiosos têm apontado a peculiaridade do trabalho de Gioli.

Alguns filmes:
-Commutazioni con mutazione, 1969, 7’, 16 mm, silencioso
-Immagini disturbate da un intenso parassita, 1970, 45’, 16 mm, sonoro
-Secondo il mio occhio di vetro, 1972, 10’, 16 mm, sonoro
-Del tuffarsi e dell’annegarsi, 1972, 11’, 16 mm, sonoro
-Hilarisdoppio, 1972, 25’, 16 mm, sonoro
-Traumatografo, 1973, 25’, 16 mm, sonoro
-Film stenopeico (l’uomo senza macchina da presa), 1973-1981-1989, 13’, 16mm, silencioso
-L’operatore perforato, 1979, 10’, 16 mm, silencioso
-Filmfinish, 1986-1989, 13’, 16 mm, silenzioso
-Piccolo film decomposto, 1986, 13’, 16 mm, silencioso
-Quando l’occhio trema, 1989, 12’, 16 mm, silencioso
-Filmarilyn, 1992, 10’, 16 mm, silencioso
-Immagini travolte dalla ruota di Duchamp, 1994, 10’, 16 mm, silencioso
-Volto telato, 2002, 2’48’’, DVD, sonoro

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Entrevista Exclusiva: LUIZ ROSEMBERG FILHO O Pensador do Cinema Brasileiro.

Entrevista Exclusiva com José Sette o poético amor pela sétima-arte