Eder Santos: Tecnologia poética na construção da linguagem


Roteiro Amarrado - Eder Santos , retrospectiva do videoartista mineiro Eder Santos, apresentando suas obras em arte digital e vídeoarte. Suas obras são consideradas desafiadoras por serem constituídas predominantemente de ruídos, interferências e distúrbios do aparato técnico chegando, por vezes, a tocar os limites da visualização. Curadoria: Solange Farkas.
Um dos maiores expoentes da arte eletrônica no Brasil, Eder Santos transita entre vídeo, instalação e performances em que usa a imagem como elemento cenográfico e narrativo. Participou da 23ª Bienal de São Paulo e de festivais no México, Holanda, Suíça e Estados Unidos. No 16º Festival Videobrasil, a instalação Low Pressure (Revezamento 3x1), Eder Santos é graduado em belas-artes e comunicação visual pela UFMG. Criou em Belo Horizonte a produtora Emvídeo, onde produziu a maior parte de sua obra. Seus vídeos integram hoje os acervos permanentes do MoMA, Nova York, e do Centre Georges Pompidou, Paris, e são distribuídos internacionalmente pela Electronic Arts Intermix (Nova York) e pela London Electronic Arts (Londres). Realizou diversas videoinstalações para eventos como Videobrasil (São Paulo) e ForumBHZVideo (Belo Horizonte). Trata-se de uma das obras videográficas mais densas e poéticas já produzidas no Brasil.

No Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), no Rio de Janeiro a exposição, batizada de Roteiro amarrado, além da Enciclopédia da ignorância, trabalho que reúne as mazelas da existência humana, estarão criações dos 10 últimos anos do inquieto artista. Ficam até o dia 11 deste mês, depois vem a São Paulo. Nas obras, experiências radicais, ruídos, interferências, cenas da realidade, modificação de imagens convencionais geradas pela televisão e manipulações com forte sentido existencialista darão o tom dos trabalhos, a maioria deles de caráter interativo, na exposição reúne 18 obras.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Exposição no Brasil da Pop Art ao cinema underground ou Experimental?

Entrevista Exclusiva com José Sette o poético amor pela sétima-arte